22/Feb/2019
Sexta-Feira - 22 de Fevereiro de 2019
(89) 9 9417-4175
(89) 9 9417-4175

Geral

Preço do gás de cozinha deve oscilar pouco em Teresina; custa entre R$ 60 e R$ 80

Por: Roberto - 11/02/2019

PPN-IMG-63b2ccec26714c201b63.jpg

Após a Petrobras definir, na segunda-feira (04), o reajuste no preço do gás de cozinha, a população começou a se preocupar com os impactos que a definição pode trazer para seu bolso. O produto, que antes estava sendo comercializado nas refinarias pelo valor de R$ 25,07, passou a custar R$ 25,33. No entanto, a    população pode não sentir logo a chegada do reajuste, uma vez que fica a cargo dos revendedores o repasse imediato ou não nas mudanças dos valores do produto. Atualmente, a população teresinense consegue encontrar diferentes preços pelo botijão de 13kg, variando nos bairros, entre R$ 60 e R$ 80.

O reajuste deve oscilar de 0,5% a 1,4% nas revendas, segundo informações do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás). O diretor do Sindigás no Piauí, Carlos Wellington, fala que não existe uma decisão única da classe e que cada um é livre para definir o repasse imediato ou não do reajuste. “Nós temos uma grande quantidade de pessoas trabalhando com esse produto e cada um tem suas próprias definições acerca do negócio. O reajuste é trimestral e cada um define se espera ou não alguns reajustes se acumularem”, fala Carlos Wellington. Alguns revendedores acumulam reajustes e esperam uma certa quantidade ou valor para, enfim, repassar a mudança dos valores para os consumidores.

Ele explica ainda que ano passado houve quatro reajustes no valor do produto e esses reajustes tiveram impacto nas vendas. “Além de ser um ano de crise para muitas pessoas, os reajustes ainda dificultaram muito a vida de quem trabalha com o gás de cozinha, já que o aumento afastou muitos consumidores. Caso ocorram muitos aumentos ao longo deste ano, as vendas podem ser afetadas ainda mais”.

  Ismael Zodíaco disse que não repassou preço reajustado| Crédito: José Alves

Clandestinos

Ismael Zodíaco trabalha com a revenda de gás de cozinha em Teresina e disse que ainda não começou a repassar para a sua venda. “Nós temos um sindicato que deveria dar as orientações para que a classe aplicasse de forma adequada estes reajustes, mas eles não fazem isso. Neste momento, com a liberdade que existe nesse ramo, surgem os clandestinos, que acabam afetando negativamente o mercado”, fala o revendedor.

Segundo Ismael, os clandestinos não pagam impostos e, por isso, mesmo colocando o preço do gás abaixo da média de mercado, eles ainda têm um lucro maior que os revendedores oficiais. “Dessa forma, esses clandestinos podem até mesmo adulterar o gás, e com isso eles colocam em risco os clientes, além de roubá-los, já que eles estarão pagando por um produto que não receberam”, comenta Ismael.

O indicado é sempre verificar se a revenda de gás a qual o consumidor recorre é autorizada a trabalhar no setor. “Hoje, devido a essas atividades ilegais por parte de alguns, quem mais ganha dentro da venda de gás de cozinha são as distribuidoras e esses revendedores ilegais. Existem ainda os casos em que esses clandestinos até mesmo tomam os clientes dos revendedores oficiais por oferecerem preços mais baratos”, diz Ismael Zodíaco.

 

meionorte

Facebook
Twitter
Horóscopo
Eventos