21/Jul/2019
Domingo - 21 de Julho de 2019
(89) 9 9417-4175
(89) 9 9417-4175

Geral

CCJ aprova criminalização do "caixa 2" e Marcelo reage: "Ir para a cadeia? Tá doido!"

Por: Roberto - 11/07/2019

PPN-IMG-cbdd4d900fc1e297307f.jpg

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (10) a criminalização do caixa dois eleitoral, apresentado pela senadora Eliziane Gama (SD/MA), subscrito por outros parlamentares, como parte do chamado pacote anticrime, reproduzindo o teor das propostas enviadas à Câmara pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

E um dos diversos parlamentares que reagiu à proposta foi o senador Marcelo Castro (MDB). Para ele, a prisão é punição muito severa para o caixa dois.

    Foto: Pedro França/Agência Senado

Castro argumentou que é bastante difícil contabilizar cada centavo na campanha e defendeu medidas mais amenas, como perda dos direitos políticos ou do mandato. "A pessoa esquece de declarar na sua campanha um determinado fato ocorrido, uma despesa efetuada, o seu contador ou seu assessor esqueceu, você vai curtir cinco anos de cadeia? De jeito nenhum. Sou radicalmente contra isso que estamos fazendo aqui", afirmou Marcelo.

Ele ainda questionou sobre a possibilidade de que um descuido da contabilidade de campanha possa levar o político para a prisão, o que para ele, é uma situação "sem pé nem cabeça". 

"Ir para a cadeia quem não é criminoso? Quem não praticou crime? Quem por um lapso ou descuido qualquer se esqueceu de fazer um registro eleitoral de uma campanha que é uma coisa absurda, volume de decisões tomadas no estado inteiro, que foge do controle do candidato?", ponderou.

Até que reforçou a sugestão de medidas menos radicais que a prisão. "Vamos parar, vamos raciocinar, vamos pensar. Eu topo: pegou caixa dois, perdeu o mandato, saio tranquilo e vou para casa para viver com minha família. Agora ir para a cadeia? Tá doido! De jeito nenhum!", reclamou.

A proposta aprovada na CCJ do Senado tem caráter terminativo e seguirá para a Câmara dos Deputados, se não houver recurso para análise pelo Plenário do Senado.

 

180graus

Facebook
Twitter
Horóscopo
Eventos