09/May/2021
Domingo - 09 de Maio de 2021
(89) 9 9417-4175
(89) 9 9417-4175

Policia

Polícia Civil deflagra operação Fake News: investigado 'detonava' políticos do Piauí

Por: Roberto - 16/04/2021

PPN-IMG-4bad102b8aeeb7484238.jpg

A Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), com apoio da Diretoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública (DINTE/SSP), deflagrou a fase ostensiva da Operação Fake News com o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na cidade de Teresina.

No início de 2020, foram instaurados inquéritos policiais para apurar crimes contra a honra (calúnia, difamação) praticados contra autoridades públicas no Piauí em redes sociais (Facebook e WhatsApp). Dentre as vítimas iniciais havia o governador do Estado, secretários de Estado, deputados estaduais, prefeitos e pré-candidatos a prefeito. Com o avanço do trabalho policial a DRCI observou indícios de que os ataques partiam de um mesmo investigado, e possivelmente estariam sendo financiados com recursos públicos.

Surgiram como vítimas, no curso da investigação, o então juiz eleitoral de Valença, uma vereadora e um pré-candidato a prefeito dessa mesma cidade. Com afastamento de sigilo bancário e colaboração do Tribunal de Contas do Estado (TCE), se demonstrou que o investigado, autor direto dos crimes, recebia recursos, sem licitação ou contrato prévios, da Prefeitura de Valença, durante o período de execução dos crimes.

Segundo o Delegado Anchieta Nery, titular da DRCI, “o investigado responsável por disseminar as agressões nas páginas e perfis falsos confessou a prática em interrogatório policial, afirmando que os ataques às autoridades de Valença tinham como mentor o então secretário de Governo da cidade, em 2020. Quanto aos ataques a líderes dos partidos PT e PR em Teresina, o investigado afirmou ter sido contratado por um marqueteiro do Ceará, que atuava para um partido adversário destes nas eleições da capital, também em 2020”.

Delegado Anchieta Nery

Delegado Anchieta Nery 

Segundo a autoridade policial, a confissão do investigado foi corroborada por elementos de prova técnica colhidos no inquérito policial (afastamento de sigilo bancário e de dados).

Nesse sentido, novas diligências serão realizadas para delinear a participação de demais pessoas nos crimes. Segundo o delegado Anchieta Nery, "a quantidade de perfis e grupos em redes sociais manipulados pelos investigados com objetivo de manipular a opinião pública com objetivos eleitoreiros caracteriza verdadeiro ato atentatório à democracia", explica. 

"A Polícia Civil alerta à população em geral que crimes cometidos em meio virtual, como quaisquer crimes, são passíveis de responsabilização e a Instituição tem o conhecimento técnico e ferramentas necessárias para a realização da investigação policial", avisa o titular da DRCI.

 

Fonte: Polícia Civil do Piauí

Facebook
Twitter
Horóscopo
Eventos